Reviews

REVIEW – Street Fighter: 30th Anniversary Collection

Desenvolvedora: Capcom
Publicadora: Capcom
Plataformas: PC, PlayStation 4, Xbox One e Swich
Versão analisada: PlayStation 4
Cópia do jogo cedida pela própria publicadora para análise

Em 1987, surgia nas máquinas arcades um novo jogo de luta que seria o responsável por reformular os padrões do gênero e a forma como eram estabelecidas partidas entre dois jogadores: Street Fighter. Entre uma máquina e outra, sempre era possível ver o primeiro jogo da série, que contava com seus absurdos seis botões — algo inédito na época!

Logo em seguida, em 1991, surgia Street Fighter II e, em pouco tempo, a máquina se tornou em um sucesso estrondoso que continuou por muitos anos, otimizando tudo o que foi visto no primeiro título e oferecendo um elenco muito maior de personagens selecionáveis que acabaria por marcar o mundo dos jogos. Muitos anos se passaram e muitas outras iterações do jogo de luta da Capcom surgiram continuamente — e quase todas fizeram um sucesso à altura que ajudou a preservar o legado da franquia.

Faz trinta e um anos que Street Fighter chegou ao mundo e, entre lutadores de muay thai, karate, lideres de organizações criminosas e até mesmo os Illuminatis, muitas coisas passaram por esta franquia e é isto que a coletânea Street Fighter: 30th Anniversary Collection se propõe a celebrar. O título não contem “só” doze títulos dos árcades clássicos da franquia como também contempla toda a sua história, com todas as informações possíveis que qualquer fã da série gostaria de saber. Com toda a certeza, esta é a melhor coletânea da franquia e uma das melhores dos jogos em geral já lançada até o momento.

Os clássicos preservados em sua melhor forma e com adições chamativas

O título contém doze jogos que compõe a história principal da franquia, abrangendo desde o primeiro Street Fighter e passando pelas diferentes versões de Street Fighter II, pelos três títulos da série Alpha/Zero e pelas três versões de Street Fighter III. Para completar, o jogo oferece a melhor “ressurreição” possível destes jogos, consistindo em uma adaptação perfeita das máquinas de arcade — ou seja, rodando melhor do que as emulações que podemos encontrar por aí —, sendo uma característica notável logo no primeiro contato que temos com a coletânea.

Mesmo que o modo de arcade seja algo relativamente rápido, a coletânea ainda permite que quatro dos jogos disponíveis sejam experienciados pelo modo online — e com um bom netcode, diga-se de passagem —, de maneira casual ou competitiva. Os jogos com suporte a essa função são Street Fighter II: Hyper Fighting, Street Fighter II Turbo, Street Fighter Alpha/Zero 3 e Street Fighter III: 3rd Strike. Cada um dos títulos oferece um sistema de ranqueamento dedicado, incentivando a comunidade competitiva e os “contras” com os amigos.

Os jogadores também terão acesso a uma sala de treinamento em todos os jogos para aprimorarem as suas habilidades e também terão a liberdade para alterar as opções gráficas para todos os gostos, sendo possível alterar a definição dos pixels e a proporção da tela entre 4:3 e 16:9.

Todos os 31 anos de história não são homenageados apenas com a reunião dos jogos clássicos, mas também com uma linha cronológica contando tudo o que aconteceu no decorrer dos anos, além de seções exclusivas para contar os processos de criação de cada jogo da franquia, das primeiras ideias ao resultado final, sendo um prato cheio para os fãs mais assíduos e curiosos. Até mesmo os truques de cada jogo são contemplados aqui, incluindo como jogar com o Evil Ryu em Street Fighter Alpha 2 ou  com Akuma em Super Street Fighter II Turbo — tudo em português do Brasil.

Nem só de vitórias vive um lutador

Infelizmente, como nem tudo é perfeito, o título também traz seus problemas: a principio, ao ligar o jogo, ele apresentou bordas pretas do PlayStation 4 mesmo em um televisor 1080p — algo que é facilmente consertado ao acessar as configurações de tela do console, mas que seria apreciado se pudesse ter sido evitado.

Além do mais, o jogo não apresenta suporte a controles legacy — ou, para melhor entendimento, suporte a controles do Playstation 3. Isso significa que os jogadores que desejarem jogar com controles arcade do PlayStation 3 não conseguirão utilizá-los no PlayStation 4. Eu gostaria muito de ter jogado o título com o meu arcade stick, mas isso infelizmente não foi possível. Há ainda observações menores, como a ausência de botões configuráveis para os três socos e três chutes, mas o maior problema é definitivamente o preço do jogo.

A coletânea custa R$ 180,00 na PlayStation Store brasileira e na Microsoft Store, um preço salgado mesmo para um pacote tão bom quanto este. Na plataforma Steam, no entanto, é possível adquirir o título pelo preço justo de R$ 89,99.

Uma coleção para todos

Mesmo com seus altos e baixos, o Street Fighter: 30th Anniversary Collection é uma boa pedida aos fãs do gênero de luta e da franquia Street Fighter e também aos jogadores que quiserem conhecer os 30 anos de história desta série que faz sucesso até hoje. O game é um verdadeiro banquete tanto aos jogadores mais casuais como também aos mais assíduos e competidores.

O preço, salgado a princípio na versão para consoles, logo poderá ser contornado com uma promoção. As demais pequenas falhas são tão pequenas que logo o jogador se adapta, não causando muito impacto na experiência.

Com toda a certeza, esta é uma grande celebração que faz jus a uma das maiores franquias de jogos de todos os tempos. Street Fighter: 30th Collection é uma coleção para todos.